Libere a criatividade: em homenagem a Stephen Hawking


“Lembre-se de olhar para as estrelas e não para baixo, para seus pés...”

Stephen Hawking* (In memoriam)


Nos últimos tempos tenho descoberto que não é incomum sentirmos angústia quando não encontramos saídas criativas para nossos desafios. E quando nos perdemos nesse sentimento, amarramos a nossa criatividade com a procrastinação. Aquela velha mania de deixar para amanhã, o que se pode fazer hoje.


Sem percebermos, preenchemos o tempo com atividades que não fazem sentido. Comemos sem ter fome, assistimos a uma programação da TV da qual não gostamos tanto assim ou passeamos pelas redes sociais por horas a fio, sem rumo.


Pois bem! Vocês já pararam para se perguntar por que escolhemos esses afazeres sem sentido? Eu me perguntei. E sabem o que encontrei? Que isso acontece porque o processo de criatividade envolve esforço e exercício da espontaneidade. Afinal, estamos falando de um processo que envolve disponibilidade para produzir vários ensaios de uma mesma ideia, verificar seus resultados e deixar-se levar por um diálogo entre você e a realidade, sem se preocupar com a perfeição do resultado.


Vejam isso! O foco não está na solução e nem no resultado encontrado, está no explorar por explorar.


Esta é uma equação delicada que exige resistir ao desejo de encontrar uma resposta rápida para os nossos desafios, enquanto nos deixamos levar pelo encanto da criação que está por vir e que nos lembra, incessantemente, de “olhar para as estrelas e não para baixo, para os seus pés...” (Stephen Hawking).

O início de todo processo criativo está em reunir o máximo de informações possível sobre a temática que desejamos explorar, sem nos preocupar em encontrar uma resposta para a questão. Uma busca ativa até que as informações se esgotem.


Se conseguirmos controlar nossas inquietações, entraremos em um momento de incubação. Eis a hora de descansar e acomodar nossas reflexões, para cultivar as combinações que levarão à revelação de novos elementos para velhas ideias. É o momento da descoberta. Aquele momento em que se experimenta a sensação de iluminação, muito bem representado por expressões como “eureka” ou “voilá”.


Bem, depois disso resta-nos verificar a consistência, pertinência e aplicabilidade da nova ideia. Se em algum aspecto ela se revelar disfuncional, voltamos ao início da preparação, para reunir novas informações até que o ato criativo se apresente com todo o esplendor da sua originalidade.


E assim, como nos diria nosso gênio da criatividade Stephen Hawking, “O afã por descobrir alimenta a criatividade em todos os campos, não só na ciência. Se chegássemos à meta, o espírito humano se machucaria e morreria”. Com ele descobrimos que ser criativo é enxergar as respostas escondidas nas entrelinhas da vida. Não há teia de procrastinação na criatividade! Há momentos sem lógica e sem tarefas, nos quais se experimenta viver, enquanto as peças se encaixam e reencaixam espontaneamente. É um convite para apreciar o movimento das estrelas. Tudo no seu devido tempo e lugar.


Sigamos em frente... explorando os limites da criatividade!



*Sinta um pouco do que é viver um processo criativo através da vida de Stephen Hawking no trailler do filme "A teoria de tudo".


Maira Flôr Anita Bacellar

Psicóloga Responsável Técnica

Destaques
Recentes
Arquivados
Procure por Tags
Nos Acompanhe
  • Facebook Basic Square
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

© Espaço Viver 2014. Todos os direitos reservados.

Localização

Endereço

Rua Fritz Müller, nº 50, Salas 601 e 602 Coqueiros - Florianópolis/SC

Telefones

(48) 3039 0907 | (48) 99642 9889

E-mail

contato@espacoviverpsicologia.com

Facebook